/eks waɪ ədˈventʃərəs/

HomeParceriaO AutorA HistóriaContatoCapítulosPersonagens (S01 - S02 - S03)

Season 3 — Capítulo 11

        — Mas o que está acontecendo aqui?!
        — É um ataque! É UM ATAQUE!
 A cidade de Laverre estava completamente em chamas. Seus habitantes gritavam e tentavam apagar o fogo com seus pokémons de água, mas as labaredas pareciam ganhar vida e expurgavam a água pra longe. E a Team Flare... Ah, não cessava nunca... Looker correu e tentou batalhar contra dois recrutas mal-humorados. Riley rapidamente correu e o ajudou. Anna e X foram procurar por Y. Mas ela parecia ter desaparecido. Não estava em lugar algum.
        Volta e meia os dois adolescentes tinham que parar e derrotar algum capanga mal intencionado e só após derrubarem-no, eles podiam voltar a fazer suas buscas. A menina tinha de estar ali, em algum lugar...
        — Uaaaaaaai! — Gritava Anna, procurando por Y próxima a uma casa em chamas.
        — Não adianta gritar, Anna! — Lembrou-lhe X. — Você acha que ela vai sair de onde está se a chamarmos no meio de um ataque da Team Flare?
        — Ah é, tem razão. Tem razão...



POKÉMON XY ADVENTURES APRESENTA:

Season 3 — Capítulo 11
α Em Chamas! VS Lysandre

        — O que vamos fazer agora? — X parecia desconcertado. Pra onde olhava havia fumaça. Carros virados de cabeça para baixo, pessoas em pânico, mães tentando salvar seus filhos e alguns policiais e Pokémon Rangers tentando lutar contra um exército de caras usando o ridículo paletó vermelho-alaranjado, a marca registrada da Team Flare.
        — Bem, temos que apelar por...
        Mas a frase ficou solta no ar. Naquele exato instante alguém saiu de dentro de uma casa incendiada carregando um bebê no colo. Era uma mulher de cabelos muito negros e com mechas coloridas usando um Baby-Doll estilo tomara-que-me-coma.
        — Aquela ali não é a...
        — Valerie! — X reconheceu o rosto da famosa mulher que corria salvando a criança. — EI! VALERIE!
        — Hã? — A Gym Leader de Laverre virou-se e deu de cara com X, que corria para tentar alcançá-la.— "Ekss"? É você?
        — Sim, sou eu! — puf puf — E esta é minha namorada Anna.
        — Prazer, Srta. Gym Leader! ^^ — Anna faz uma pequena reverência em sinal de respeito.
        — Há quanto tempo isso está acontecendo? — Pergunta X, afastando as lembranças de uma Batalha de Ginásio frustrada que teve com Valerie há algum tempo atrás. — O que eles querem?
        — Eu não sei... Estava bem no meio de uma disputa quando fui informada disso tudo. Acredita que eu nem percebi? — Valerie limpa o suor que lhe escorria pela testa banhada por cabelos despenteados. —Mas alguma coisa... Alguma coisa me diz que eles não estão procurando por algo, mas sim alguém.
        — É a Y e o grupo dela! — Conclui X. — Só pode ser.
        — Mas nunca vamos achá-los a tempo! E se eles sabem do ataque, provavelmente já fugiram há muito tempo, X! Talvez nem estejam mais na cidade. — diz Anna.
        — Vocês dois... Conhecem a Y? E o Matthew? — Pergunta a famosa Gym Leader.
        — Sim, nós... Bem, somos amigos!
        — Venham comigo! — Ofega Valerie enquanto entregava a pequena criança de volta pros braços de uma emocionada mãe.
       "VÃO A ALGUM LUGAR?!"
        Uma voz grave e profunda de repente faz o sangue de X congelar. Anna também pareceu se assustar, enquanto a líder de ginásio permaneceu firme, não tendo consciência da real situação e de quem pertencia aquela voz. Eles viram-se lentamente e dão de cara com aquele que um dia manipulou o detetive-juvenil fria e cruelmente...
        — LYSANDRE!


        — Não, não! — Debocha o homem que atendia por esse nome. — É o Bunnelby da Páscoa!
        E então o ar pesado preenche-se com aquela risada cruel e psicopática do Líder da Team Flare, que diverte-se enquanto vê a expressão de assustado do garoto que um dia foi seu servo, ainda que fora de si.
        — O que você quer? — Pergunta X com um a voz firme.
        — Achei que você sabia a resposta, rapazinho. — Lysandre cocha o queixo e então continua — E parece que a p*tinha aqui também... Ela não estava levando vocês a algum outro lugar para conversarem justamente sobre isso? Justamente sobre um bando de adolescentes metidos e mal-educados que ultimamente tem estragado meus planos?
        — OLHA AQUI, EU JURO QUE TE FAÇO EM PEDACINHOS! — Valerie avança contra Lysandre, mas X e Anna rapidamente pegam os braços da Gym Leader, contendo-a bem a tempo.
        — Isso só vai piorar as coisas, Srta. Valerie! — Anna segura a Gym Leader com força, pois ela se debatia muito tentando alcançar Lysandre.
        — Ele está tentando nos fazer ficar loucos! — diz X. — É assim que ele se diverte! Ele deixa os outros com muita raiva, pra então nos destruir como meros cacos de vidro.
        — MUAHAHAHAHAH! Que garoto esperto... — Lysandre libera toda a sua ironia de uma só vez. — Que tal mostrar toda essa sua inteligência de uma outra maneira? Mostra que é inteligente e curve-se diante do Rei! Curve-se diante daquele que em breve irá Dominar o Mundo!!
        — Dominar o Mundo? Ah, só se for por cima do meu cadáver! — Avança X.
        — E do Meu! — Valerie também impõe-se.
        — Quando vocês querem que isso aconteça? — Pergunta Lysandre tirando sarro da cara deles. — Pode ser agora?
        "AAAAAAAARRRRRGGGGHHHH"
        Só ouviu-se um grito agudo e esganiçado de dor súbita. Os três ali parados começaram a contorcer-se em um aperto mortal, que parecia vir de fora pra dentro, como se a atmosfera fizesse maior pressão sobre seus corpos naquele instante.
        — Já chega, Malamar. — Grita Lysandre, fazendo com que toda a dor e agonia cessassem.
        Então X compreendeu. Aquela dor toda havia sido causada pelo Psychic do Malamar de Lysandre, que sorrateiramente os sobrevoava, sem que os mocinhos soubessem.
        — Maalaamaah... — O Pokémon exibia aquele seu olhar Sonserino de superioridade e desprezo. Era perfeito para Lysandre. Os dois eram uns completos babacas.
        — Muito bem, vamos ver o que vocês tem pra mim... — Lysandre faz um gesto como se menosprezasse qualquer coisa que eles fizessem. — Vamos batalhar.
        — Se é uma batalha que você quer, é uma batalha que você vai ter! Lucario, preciso de uma mãozinha aqui!
        Rápida e habilidosamente, X dispara uma pokébola para os céus, revelando seu Pokémon Lucario. Parecia que ele fazia aquele movimento há anos.
        — Bom, neste caso... Malamar, continue no comando! — Lysandre cuspe no chão, apagando uma pequena chama que aproximava-se sorrateiramente de seus pés.
        — Use Aura Sphere! — Gritou X, dando um início oficial à disputa.
        E Lucario mais do que rapidamente começou a criar uma bola de energia espiritual em suas mãos, disparando-a como uma bala de canhão contra Malamar.
        — Psychic! — Lysandre pronuncia calma e friamente, com aquele tom que dava arrepios em X. O Aura Sphere de Lucario para à 2 centímetros de Malamar, flutuando inerte no ar.
        — Maaaaaaah! — E com um estouro tremendo, Lucario é jogado pra longe com a própria Esfera de Aura, que havia revoltado-se contra o próprio criador, como se tivesse ganhado vida.
        — Dark Pulse!
        O Pokémon viscoso com aqueles tentáculos aderentemente nojentos olhou com desdém para Lucario, derrubado pelo próprio ataque e então começou a criar uma pulsação de raios sombrios e lúgubres.
        — Use o Aura Storm-Final Smash! — Grita X, antes que Malamar pudesse fazer algo muito ruim com Lucario.
        E muito rapidamente o pokémon do tipo Lutador se levanta e começa a brilhar, disparando rajas de aura por todo o campo. Uma Tempestade de luz, uma tempestade de aura.
        Enquanto isso, do outro lado, Malamar cobre os olhos da dignidade com uma chuva de negror torrencialmente obscuro. Trevas puras, pulsando como um coração vivo.
        Naquele exato instante, um sentimento ruim bateu no peito de X. Será que Lucario era capaz de aguentar tanta pressão? Luz sendo jogada pra cima de tantas trevas e com tanto poder? Aquele Malamar era realmente muito poderoso e Lysandre sabia o que estava fazendo. Não era um joguinho de dois mais dois, mas uma disputa à nível de Elite 4, ou talvez mais. Uma disputa á nível de Guerra,
        E então com um estrondo audível há pelo menos dois quilômetros de distância, uma nuvem de fuligem urente cobriu todo o campo de batalhas e mais umas dez casas ali por perto.
        — Cof, Cof... Lucario?! — X chamou seu pokémon, procurando ouvir alguma resposta, mas nada ouviu a não ser o punxirão de Flares ocupando-se em incendiar casas de família.
        — X! — No meio do negror dissipado no ar, Anna segura uma figura treboçu e corpulenta pensando ser seu namorado. — Mas o que--
        — Sai pra lá, garota! — Lysandre, com uma tremenda força nos braços, atira Anna violentamente de costas no chão.
        — AAAAAAAHHHHHHH!
        — Já chega! — Valerie ativa as asas mecânicas e teatralmente lança uma de suas pokébolas. — Jigglypuff, eu escolho você!
        E então a criatura mais fofinha e ao mesmo tempo mais perversa do mundo surgiu, irradiando aquele olhar gracioso e feérico que todos, absolutamente todos detestavam.
        — Jiggly! ♥ ♥ ♥
        — O QUE? — Lysandre começou a rir feito um louco, no meio da escuridão lançada aos céus pela explosão anterior ao vislumbrar um rápido lampejo da face de Jigglypuff. — Acha que vai me derrotar com essa coisinha aí?
        — Turn Down for What?
        (Recusar pra quê?)
        Valerie então começa a rir diabolicamente e diz as palavras que todos esperavam ouvir desde o começo:
        — SING!
        Uma doce mas profunda, hipnótica e um tanto selvagem, rebelde e ao mesmo tempo sutil canção começou a ser entoada pelo pequeno e subestimado pokémon cor-de-rosa.
        Uma reação em cadeia tem seu estopim: Malamar começa a bocejar e cai por cima de um Lucario inerte e previamente nocauteado. X consegue retornar seu pokémon antes que ficasse tonto com a canção. E então, subitamente, a música para.
        — Malaaa....
        O Pokémon de Lysandre jazia no chão sujo, dormindo feito um Snorlax após o lancinho básico da tarde.
         — Droga! Volte já, Malamar! — Malamar retorna à pokébola. Mas X tinha o pressentimento de que aquela luta recém tinha começado. E de fato, estava certo. — Pyroar! Gyarados! Vão!
 
         Dois enormes pokémons foram lançados de suas pokébolas, eliminando de vez a neblina negra que havia sido deixada pela explosão e é claro, trazendo de volta os lampejos vermelhos de uma cidade sendo apedrejada pelos bandidos.
         — Ah, é? Já chega de ficar parada! Seu idiota... Vai ver o que é bom! Aggron, vaaaai! — Anna dispara sua pokébola para cima, revelando um pokémon bastante poderoso, o corpo blindado por aço, duro como rocha.
         — Use o Iron Tail, Aggron! Agora! — Ordena Anna.
         Na velocidade de um raio, a cauda de Aggron estava transforma em ferro puro, como se ele já não fosse feito do mesmo material. A diferença era que estava maior, mais afiada e com um brilho cortante incomparável. Avançou contra Gyarados.
         — Evasiva. — disse calmamente Lysandre.
         — GROOOOARRR! — E a Serpente Marinha com traços de Dragão levantou (inesperadamente) voo, escapando do golpe de Aggron, que feriu o chão, levantando uma nuvem de terra pra todos os lados.
         — Valerie, o Jigglypuff! — Alerta X.
         — Oh, certo! Puffie, use o Gyro-Ball!
         Jigglypuff girou e girou em torno do próprio eixo, tornando-se uma bolinha aveludada cor-de-rosa, iluminada apenas pelo mesmo brilho cortante do Iron Tail de Aggron. Um segundo golpe tipo Metálico. Mas desta vez direcionado exclusivamente á Pyroar.
         — Evasiva. — diz Lysandre na maior calma do mundo, mais uma vez.
         E seu pokémon salta alguns longos metros do chão, fazendo com que Jigglypuff batesse diretamente em um árvore laranja, que é derrubada com o impacto, caindo sobre um carro, o alarme agora surdeando os ouvidos de todos ali presentes.
         — Jiggly--
         O Silêncio então se instaurou ali naquele local, mas não fisicamente. Eles ainda se sentiam irritados pelo maldito alarme do carro bombardeado pelo tronco do plátano derrubado. Era um silêncio mental de tortura. Aquele olhar penetrante e debochado de Lysandre assombrava a mente não só de X, mas também de Anna, de Valerie... E é claro, dos pokémons ali prontos para batalhar. Então, antes que X pudesse sacar seu ultra super-hiper-ultra-mega-badass Greninja, os lábios do Líder da Team Flare se movem.
         Dessa vez não foram desaforos ou xingamentos, sarcasmos ou ironias bem planejadas com o intuito de magoar, mas sim comandos. Ordem de Ataque. Fogo.
         — Flamethrower! — Uma pausa de dois longos e arrastados segundos até a voz doce e penetrante de Lysandre continuar a se pronunciar. — Hyper Beam!
         E essas foram as duas últimas palavras do ruivo de dois metros de altura antes de tudo explodir em tons de laranja. Tons de fogo vivo. Tons de Explosão. Tons de derrota. Tons de agonia. Tons de dor. Tons de ferimentos...
         — AAAAAAAHHHH!
         — VALERIEE! ANNA!
         — ÉÉÉÉÉKKKSSSSS!!!
         — AHH!
         — SOCORRRO!
         — ME AJUDAAAA!!
         A Segunda Explosão foi maior (muito maior) do que a primeira e atingiu não só o Pokémon Jigglypuff da Gym Leader Valerie como também Aggron, X e a própria Anna, destruindo uma parede de tijolos mais atrás que recém havia sido construída. O Carro que não parava nunca com aquele alarme insuportável, o plátano tombado, uma dúzia de Flares e por pouco não atinge o mentor de tal maldade.
         Chamas voavam por toda a parte. O céu tipicamente alaranjado de Laverre hoje estava preto, enegrecido por fumaça tóxica liberada pelo fogo e destruição. As paredes que há poucos minutos constituíam casas agora eram ruías destroçadas, cenário de filme apocalíptico.
         Gritos vinham de toda a parte. Alguns ainda eram ordens como "Avance, Flareon!", outros eram, algo como "Não desista!", mas nada daquilo parecia importar para X. Sua carne parecia estar no limite. Seu corpo parecia estar se desfazendo. Sua humanidade parecia estar chegando ao fim.
         Tudo o que ele consegui enxergar era branco. Uma luz muito clara diante de seus olhos, o barulho se tornando cada vez mais distante. Mas então, em um impulso de coragem e muito, mas muito esforço físico, ele abriu os olhos e espiou ao redor enquanto resmungava de dor.
         — Aaaarggh! Isso... Isso dói! Dói!
         Anna estava com o braço queimado. Ah, meu Arceus. As Roupas de X haviam sido incineradas e aquele estranho vergão vermelho sobre sua pele não parecia ser nem um pouco superficial.  Ah, meu Arceus. Valerie estava inconsciente. Ah, meu Arceus. Com um único golpe, Jigglypuff havia sido derrotado e Aggron estava com o HP na reserva. Ah, meu Arceus! E agora? O que poderiam fazer?
         — MUAHAHAHAHAHAHAH! Bando de pirralhos! Nunca deveriam ter mexido com a Team Flare! Agora vão se arrepender!
         — Não, por favor não! — Uma lágrima de dor escorria pela face de Anna. — Não!
         — ANNA! — X tenta se levantar, mas a dor das queimaduras atingia cada centímetro de seu corpo.
         — Contemplem! — Lysandre ergue os braços aos céus, como se fosse um deus ou algo do tipo. — Contemplem uma Nova Era! Uma Era de caos, destruição! Uma Era Definitiva, que vai ficar pra sempre na história da região de Kalos!
         — Você... Você não vai conseguir nada, Lysandre! — X cuspiu suas últimas palavras antes de sentir o peso da gravidade afundando-o no chão lamacento e coberto de folhas laranjas-outono.
         — NÃO VOU, É? — O homem alto e corpulento debocha mais uma vez da situação e exibe três pokébolas douradas, feitas de ouro puro. — DIGAMOS QUE EU JÁ CONSEGUI! CONSEGUI O PODER DE TRÊS POKÉMONS LENDÁRIOS QUE ME AJUDARÃO A CONQUISTAR... A CONQUISTAR O MUNDO!!
         Foi um flash atrás do outro. Todas as três pokébolas de ouro brilharam dourado ao invés do clássico azul-esbranquiçado e de dentro daqueles objetos redondos e aparentemente pertencentes a um magnata da mais alta sociedade, eis que surgem três figuras enigmáticas. Três figuras místicas.
  
         — E SE VOCÊS QUEREM SABER... NÃO FOI PELA PIRRALHA, DIGO, NÃO FOI POR CAUSA DA SUA VIRGEM E IMACULADA "UAI" QUE EU ESTOU PROMOVENDO ISSO AQUI! FOI PRA MOSTRAR PRO MUNDO ESSAS TRÊS BELEZINHAS QUE EU TENHO GUARDADO POR TANTO TEMPO!! Vejamos... Do que eles são capazes de fazer?

Hyper_Beam


Volcanion_Unknow_Attack

         Hyper Beam, Shadow Ball e Steam Eruption. Essas doram as últimas coisas que X lembra de ter visto, ou seria as últimas coisas que ele ouviu? Espere! Um Rosto! Um Rosto familiar... Esse é... Looker?

***

A Neve caía em flocos desparelhos do outro lado da janela, que espelhava um céu branco, cristalino como barba de Papai Noel, por falta de comparação melhor. Peraí... NEVE?
         X levantou-se de súbito, o coração na mão. Onde Lysandre estava? E Anna? Valerie? Lucario? E Looker? E Riley? E a pergunta que martelou-lhe rapidamente o raciocínio: Onde ELE estava?
         "As Manchas Sumiram!" — Pensou, ao levantar a parte de cima do pijama para espiar o peito outrora intensamente queimado.
         — Já está de pé?
         Uma voz estranha parecia bem próxima. X correu até a porta, mas não deu tempo nem de segurar a maçaneta. Ela já havia sido aberta. Um homem enorme, pra cima e pros lados, com cabelo branco, cara de experiente e durão estava ali parado, os braços cruzados em frente o peito, um casaco de inverno por cima de uma ousada regata.
         — Quem é você?! — A Pergunta poderia parecer grosseira ou mal elaborada, mas brotou da boca do garoto antes mesmo que ele pudesse pensar direito.
         — Meu nome é Wulfric e eu sou um médico!
         — Onde estou? Digo... Onde NÓS estamos?
         — Seja Bem-vindo à Snowbelle City! — Wulfric fez um gesto amplo apontando para a enorme janela emoldurando o quarto, onde uma furiosa tempestade de neve rugia, soterrando em gelo tudo o que via pela frente. — Você esteve em coma por um tempo e--
         — Essa não! DE NOVO?!
         — Bem, esteve com queimaduras de primeiro, segundo e ainda terceiro grau por todo o corpo. Ficou fora de si por três dias. Mas foi tempo o suficiente para minha técnica de tratamento com gelo reagir e você foi salvo.
         — Salvo? O termo é esse mesmo? Isso quer dizer que-- Onde está Anna? E Valerie?
         — Relaxa, garotão. Elas estão bem. A Jovem líder Valerie está se recuperando super bem. Sua namorada também. Deixou o Hospital bem antes que você. Apenas descanse. Amanhã, quando tiver alta, vá ao meu ginásio! Estamos todos lá, te esperando.
         — L-Looker...
         X de repente começou a se sentir tonto, com um sono incrivelmente pesado... Percebeu então que um cano bem fininho de plástico transparente estava ligado a seu braço e injetava um líquido branco diretamente em suas veias. Inconfundivelmente aquilo era sedativo.
         — Descanse, meu jovem. Descanse. Enquanto isso, meus Pokémons de Gelo cuidarão de você! Temos que tentar recuperar o seu pênis e--
         — O QUÊ?
         — AHAHAHAH, brincadeira! É sério, só precisamos que mais alguns testes e você estará livre para continuar investigando. Até lá, estaremos congelando suas queimaduras em um tratamento intensivo. Apenas relaxe e descanse. Será um dia cheio amanhã.
         Mas Wulfric já não tinha mais certeza se X podia ouvir ou se ao menos pode compreender suas últimas palavras. O pobre garoto estava ressonando.

Continua nos Capítulos αlpha...

7 comentários:

Treinadora Leuri adventures said...

Vc vai voltar pro face?

Kevin Fahrenheit said...

Não sei, mas talvez daqui a alguns dias eu esteja de volta.

ricardo gabriel Bisneto said...

Aquela hora que dá vontade de dar um soco na cara de Lysandre se ele fosse real kkkkkk Adorei o capítulo,está ótimo,estou ansioso pelo próximo capítulo!!!

Anonymous said...

Ficou muito legal, Por um momento tive um ataque cardíaco, Pensei que X ia morrer :v
Mano, Ri demais com o Wulfric. Continue fazendo fanfics assim! Misturando suspense com humor dentro!
Assinado: Eduardo Albuquerque

Kevin Fahrenheit said...

Obrigado!! ^^ Até lá então ;)

Kevin Fahrenheit said...

Vlw, Edu (Posso te chamar assim, né?)
Digamos que ultimamente o X tá com uma onda de azar. Ficou em coma duas vezes e agora se distanciou da Y, indo parar em Snowbelle com queimaduras por todo o corpo enquanto que o grupo do Projeto Ômega foi parar em Anistar... Enfim, veremos como a trama vai se desenvolver os próximos episódios (que ainda nem comecei a escrever pra falar a verdade).
Até a próxima, parceiro!
Um abraço!! ^^

Anonymous said...

Pode me chamar de Edu sim. (Tenho tantos apelidos que aceito qualquer um que não seja ofensivo :v)

Post a Comment

Por Favor, não xinguem, não briguem, respeitem a opinião dos outros e façam somente críticas construtivas

#Kevin_

Free Pikachu 2 Cursors at www.totallyfreecursors.com